Arquivo para Severo

E o aniversariante do mês é…

Posted in drabbles, Niver do Snape with tags , , , , , , , on 09/01/2014 by Naara Andrade

HEY! What´s up?

Dando uma espanada neste velho pedaço de metal escurecido, venho até vocês (re)inaugurar este altar dedicado ao nosso Mestre de Poções, nesta data mais que especial. Afinal, é nada mais, nada menos, que o dia em que recebemos o presente do nascimento do Homem-Mais-Corajoso-Em-Quem-Harry-Potter-Já-Desceu-Os-Zóios!

Para homenagear este dia, fizemos algumas drabbles, que continuarão sendo postadas no decorrer dos próximos dias (ou no decorrer do mês, quem sabe). Para começar, um texto feito pela nossa querida Natércia (um doce para quem lembrar quem é esta pessoa 😉

Espero que gostem!

*

Título: Abra os olhos

Autora: Natércia Azarobb (quem será essa?) / Ajudante coadjuvante: Naara Andrade

Palavras: 100

– Olhe… para… mim – Severus sussurrou com dificuldade. Ele encontrou os olhos verdes de Harry, os mesmos de Lily; em seguida, tudo escureceu.

Severus não saberia precisar quanto tempo se passou até constatar que estava novamente com os olhos abertos, contemplando os de Potter. A dor parecia ter se dissipado, embora se sentisse muito enfraquecido. Foi quando conseguiu fixar seu olhar além das pupilas cor de esmeralda que percebeu: o rosto e o corpo que contemplava já não pertenciam a Harry Potter, mas a alguém que já não via há muito tempo.

E Severus Snape não quis fechar os olhos novamente.

Sev & Lily_birthday embrace 2014

Fanart por: Naara Andrade

*

Título: Um dia perfeito

Autora: Natércia Azarobb

Palavras: 100

Ao acordar, na quinta-feira, Severus apreciou que seu aniversário caiu num dia de folga. Não aturar cabeças-ocas seria um presente. Pediria as refeições ali mesmo, nas masmorras. Assim, evitaria formalidades sociais indesejadas.

O dia transcorreu tranquilamente, entre músicas e leituras. Quase ao final da tarde, Severus pensou que, com a companhia certa, seu dia ficaria realmente perfeito.

– Não! Faz muito tempo que elas não aparecem…

Nesse momento, as proteções dos aposentos soaram, anunciando a aproximação de alguém. Ao abrir a porta, um riso mal disfarçado demonstrava que ele, de fato, ficaria satisfeito de comemorar seu aniversário com a companhia certa.

*

Título: Amizade

Autora: Sheyla Lopes

Palavras: 119

– OI. – Tudo bem?

– Tudo.

A menina de olhos verdes e cabelos muito avermelhados não acreditou na resposta desanimada do amigo.

– Sev…

– O quê? – a resposta curta, beirando o aborrecimento.

– Nada, eu só… – ela não conseguiu encará-lo. Reconheceu a tristeza no olhar duro, magoado para um menino de seis anos.

– Não precisa ficar assim, Sev… Olha, trouxe uma coisa para você.

Sorrindo ela pegou um pacote colorido que estava cuidadosamente escondendo atrás de si.

– Feliz Natal, Sev!

Severus Snape não acreditou, e seus jovens olhos perderam a tristeza que os escurecia.

– Lily, mas…

– Achou que eu esqueceria?

– Obrigado, mas… eu…

– Não precisa, Sev. Somos amigos, sempre seremos.

Fim.

*

Título: Bebemorando

Autora: Sheyla Lopes

Palavras: 250

– Isso não vai dar certo, Lily!

– Claro que vai! – ela sorriu. – é só o seu aniversário, precisamos “bebemorar”!

Olhos negros a encaravam irritados.

– Se nos pegarem…

– Não farão tal coisa, somos bruxos, lembra? Podemos aparatar de volta e nos safar dessa facilmente. Agora cala a boca vem comigo!

Ela o segurou firmemente pelo braço, puxando-o pelo pequeno beco escuro onde surgiram ‘do nada’ e seguiram pela rua.

– Oh claro, qual o plano infalível dessa vez?

– Por enquanto não tenho plano, apenas cala a boca e anda.

– Brilhante.

Eles andaram alguns metros até chegarem a um pub certamente mal frequentado.

– Seria mais fácil se transfigurássemos nossos rostos, comprássemos uma garrafa e saíssemos daqui logo!

– Seria mais fácil, mas sem nenhuma emoção.

– Então como faremos? Vamos entrar e pedir uma garrafa de uísque? É um bar trouxa, Lily, mas nem por isso eles são idiotas a ponto de vender bebida alcoólica para nós!

Lily enfiou a mão no bolso de suas vestes e retirou um manto de cor estranha de dentro dele.

– O que é isso?

Sem dizer nada, ela apenas jogou a capa sobre os ombros, desaparecendo sob o tecido aparentemente pesado.

– Uma capa de invisibilidade? Mas como? Onde você conseguiu uma?

– Isso, Mr. Obvio eu respondo depois, entre aqui e vamos pegar alguma coisa para beber. Horas e três quartos de uma garrafa de uísque depois eles, estavam sentados dentro das estufas, rindo e comemorando.

Fim.

*

Anúncios

Canções – Especial Johnny Cash

Posted in Canções with tags , , , , , on 04/06/2013 by Naara Andrade

*Abre a porta, espia. Entra limpando a poeira e as teias de aranha*

Olá pessoal, what´s up?

Bom, hoje eu estava prestando atenção em uma playlist que já ouço há um certo tempo e finalmente me dei conta do conteúdo significativo da canção Hurt, de Johnny Cash ou o “Homem de Preto” como era conhecido (coincidências até aqui…), para o tema em questão.

A canção inteira tem um toque bastante melodioso e sofrido, sendo praticamente parte de uma autobiografia. Pelas minhas pesquisas, foi uma reinterpretação da música originalmente gravada por Nine Inches Nails. Na versão de Cash, temos uma música com tom e voz pesados, embora limpos, passando com louvor toda uma carga de sofrimento. Enfim, é daquele tipo de música capaz de criar uma sensação de calafrio crescente.

Deixando as explicações sobre a história da música de lado e indo ao ponto deste blog, eu não pude deixar de notar a relação que podemos fazer com a vida de Severus.  Trechos como:

I hurt myself today / To see if I still feel / I focus on the pain / The only thing that’s real

(Hoje feri a mim mesmo / Para ver se ainda sinto / Eu foco na dor / A única coisa que é real)

Não nos remete a como Snape talvez nunca tenha sido capaz de perdoar a si mesmo, lembrando e relembrando dos erros que cometeu no passado? Para mim isto fica claro com todas as tentativas de redenção que ele tomou desde então).

E o que dizer do trecho abaixo:

“What have I become? / My sweetest friend / Everyone I know goes away / In the end”

(O que eu me tornei? / Minha mais doce amiga / Todos que eu conheço vão embora / No fim)

Achei interessantíssimo o “my sweetest friend”. Neste caso, de quem mais se trataria, senão daquela por quem ele sofreu até o fim? E com o último trecho também podemos explorar o que houve na vida fatídica do Mestre de Poções, pois todos aqueles que ele poderia ter chamado de “amigo” se foram, deixando-o sozinho com seus fardos.

Agora, creio que seja o momento de deixá-los a sós com a letra da canção, para que teçam as suas próprias conjecturas a respeito. Para ouví-la enquanto lê, clique aqui.

Então, o que acham, há cabimento?

Continue lendo