Arquivo para ferporcel

Sev Dodói

Posted in drabbles, Fanfiction with tags , , , , , , , , , , , , , on 01/04/2012 by ferporcel

Madrugada dessas nós ficamos sabendo que o Sev estava adoentado, tadinho. Para tentar dar uma força para ele se recuperar, resolvemos relembrar em drabbles alguns momentos em que ele foi bem cuidado por tantas pessoas que o adoram.

Mas antes de seguirmos com as drabbles, quero deixar bem claro que nenhuma das autoras aqui é a J. K. Rowling ou pensa que tem algum direito sobre Harry Potter ou qualquer outro personagem de sua saga.

Agora sim, vamos cuidar do Sev…

*

Título: Gripe?
Autora: Naara Andrade
Palavras:
100

Naquela fatídica – ou não, segundo a maioria esmagadora dos alunos – tarde, Severo Snape não apareceu para ministrar suas aulas. O aviso foi dado sem demora pelo professor substituto, mas o que eles não sabiam, e que se desenrolava naquele exato momento vários metros abaixo, encravado nas rochas que sustentavam Hogwarts, era que seu professor espirrava. Freneticamente. Cada espirro fazia uma parte da pele do rosto inchar e culminar em uma bolha amarelada.

— Malditos… ah…ahh…ATCHIM! Weasleys!

Sua recém-assistente o observava esquivar-se do pano embebido em água morna, em silêncio, cheia de compaixão pelo seu antigo e sempre carrancudo professor.

*

Título: Resiliência
Autora:
FerPorcel
Palavras:
100

Severo arfou, segurando um gemido ao descer o corpo castigado no banho batizado com poções que preparava até em sonho. Para Severo, a maravilha do corpo físico perdera o encanto, substituído pelo cansaço e irritação com sua resistente insistência em não sucumbir.

Abriu os olhos ao sentir um peso na testa, esperando ver o rosto da única pessoa que parecia se encantar com sua resiliência. Pronta para dar vazão a toda frustração e dor, a boca de Severo parou, aberta, ao ver olhos que nunca imaginara que o olhariam daquela forma.

— Relaxe — Srta. Granger pediu —, eu cuido de você.

*

Título: O Melhor Remédio
Autora:
Claire D’Lune
Palavras:
200

Eileen escuta batidas à porta. Cansada do trabalho diário, do marido e preocupada com o filho doente, ela espreita por uma pequena fresta e vê a pequena menina de cabelos ruivos.

— Severo está doente, menina. Por favor, vá embora.

— Eu sei, senhora. Pode, por favor, entregar isto a ele?

A menina empurra um pequeno embrulho pela porta que Eileen recebe agradecida por ela não insistir em entrar.

Ela caminha até o quarto e vê o filho febril, deitado na cama, fitando a janela.

— Olhe o que aquela menina ruiva lhe trouxe.

Ela entrega o presente, e ele, mesmo abatido, sorri para ela.

— Obrigado, mamãe. — Ela se sente aquecida pela felicidade dele enquanto ele rasga o pacote, então ela vê várias folhas que estavam dentro.

Ele mexe nas folhas e seu olhos brilham quando entende o que aquilo significa, mas a deixa intrigada.

— Mas, o que é isso?

— São folhas do lago, mamãe, eu e Lilly íamos lá hoje e eu acho que como não pude ir, ela trouxe parte do lago até mim. — Ele continuou feliz e algumas folhas voaram pelo quarto.

Naquela tarde, o riso e o amor preencheram a casa.

*

Título: Chá de Gengibre
Autora:
Shey Snape
Palavras:
100

Ruídos denunciavam alguém na casa. Adrenalina nas veias arrepiou o corpo quente, apesar do tempo gelado. Varinha em punho, passos silenciados pelo feitiço. À frente, som de água, metal e irritação elucidou o mistério. Resignado, entrou na cozinha.

— O que você pensa…

— …onde diabos está o mel e o gengibre?

— Mãe… — suspirou. — Segunda porta à direita.

— Obrigada. Agora suba, pare de andar descalço?!

Calor da mão no rosto só não antecipou o cheiro do gengibre e canela.

— Você está ardendo!

— Estou bem.

— Está rouco!

— Mãe!…

— Cale-se, tome seu chá.

*

Título: Flores II
Autora:
Shey Snape
Palavras:
100

Traição. Sangue. Abandono. Eram odores que impregnavam aquele ambiente empoeirado e envelhecido.

Passos rangiam o assoalho da Casa dos Gritos, trazendo consigo algo novo, delicado. Flores.

O fio de vida que sustentava Severo Snape, sentiu esperança naquele aroma, e no calor da mão em seu cabelo.

Tentou falar.

— Agora não. Depois.

Não ouviu feitiços. Poções amargas escorregaram garganta abaixo antes dele acordar.

Novos aromas, um em especial fez seu estomago retorcer, ansioso.

— Está com fome? — Ela sorria.

— Papoula, eu…

— Não há nada o que dizer. Você nos salvou. Agora coma.

— Mas… Por quê?…

— Você… Dumbledore. Tinha que haver um plano.

*

Título: Sem título
Autora:
Marina Snape
Palavras:
100

Por vezes, o algoz toma formas inesperadas e se traveste de um doce anjo. Calor, corpo dolorido, o ar faltando, a consciência falhando. Exaurido, fechou os olhos para resistir melhor. O maxilar fortemente fechado rangia. Jamais o fariam abrir a boca. Todos os anos como espião lhe valeriam para alguma coisa. Uma gota de suor cortou a fronte, dependurando-se no nariz. Lutaria até a morte. O tom da inquisidora alterou-se.

— Severo Snape! — Se o nome era completo, a coisa estava feia para ele. — É só uma poção para gripe, deixa de criancice e abre a boca?

*

Título: Garota Infernal
Autora:
Magalud
Palavras:
120

Severo Snape, boticário famoso, professor aposentado de Hogwarts, queria vociferar vitupérios aos quatro ventos e garantir a qualquer alma capaz de escutar e sobreviver a seus insultos que estava bem, que só precisava de descanso e paz. Mas a garota infernal estava atrás dele de instante em instante, sem descanso, oferecendo beberagens que ele sabia serem absolutamente ineficazes.

Mas dizer isso àqueles olhos azuis tão cheios de ternura e sabedoria? Como ferir aquela alma sensível e delicada?

E lá vinha ela de novo, com outra sopinha.

— Você precisa se fortalecer. Nunca é boa ideia menosprezar uma infestação de traquizinos.

Luna sorria e Severo esquecia toda a irritação e o gosto repugnante da sopa preparada com tanto carinho por sua esposa.

*

Título: Excesso
Autora:
Clau Snape
Palavras:
100

O suor gotejava sobre o rosto pálido. Ele tentava a todo custo manter-se de pé.

A poção que a bruxa à sua frente lhe forçava a tomar queimava feito fel, e ele não sabia o que era pior.

Ouviu a voz dela ralhando como se tivesse seis anos de idade.

— Espero que isso lhe sirva de lição! Onde já se viu um homem da sua idade chegar a esse ponto.

— Mas… eu…

— Nada de mas, outra carraspana dessas e o senhor vai dormir no sofá, entendeu?

Assentiu por saber que era voto vencido.

 — Está bem, Hermione.

*

Título: Pergaminhos e Enxaqueca
Autora: Catarina Barbosa — debutando no Caldeirão! \o/
Palavras: 100

A cabeça latejava. Por que pedira dois metros de pergaminho àqueles cabeças-ocas? Invariavelmente, dois metros de imbecilidades que lhe causavam pontadas agudas nas têmporas. Em compensação, cada pergaminho corrigido o aproximava mais do texto pelo qual tanto esperava, que compensaria todas as baboseiras lidas até então e que seria, misteriosamente, um bálsamo para sua dor. Sim, o texto da Irritante-Sabe-Tudo grifinória sutilmente diminuía a enxaqueca do Mestre de Poções, provocada por horas de trabalho. O que Severo Snape não sabia era que Hermione Granger enfeitiçava os próprios pergaminhos com substâncias calmantes e analgésicas, para amenizar o sofrimento de seu professor.

Anúncios

Rabiscos do Encontrão – Parte 1

Posted in Fanarts with tags , on 25/02/2012 by ferporcel

Olá!

Nem só de fanfics coletivas vive um Encontrão™ de Snapetes. Também tivemos tempo para rabiscar algumas fanarts do Sev. 😛

A Shey tem mais, mas só semana que vem.

16 dias – Feliz Natal!

Posted in Fanarts, Niver do Snape, Visitas ao Snape with tags , , , , on 25/12/2011 by ferporcel

18 dias – Um Poema

Posted in Fanarts, Fanfiction, Niver do Snape with tags , , , , , on 23/12/2011 by ferporcel

Bom, este poema não é inédito, mas também não me lembro de ter publicado ele em lugar algum (com exceção do Janelão das Snapetes).

Urso Bom de Apertar

                                                        por FerPorcel

.

Ser feliz, ser de infinita sabedoria

Inteligência por não pensar,

Cabeça vazia, cheia de ar,

Plumado, carregado e comprimido,

Cabeça inerte, mas boa de apertar.

.

A pelúcia azul era só pra enfeitar,

O que valia mesmo era o silêncio.

Liberdade eterna, ignorância boa.

O dever cumprido por existir,

Reconfortante por ser assim, bom de apertar.

.

Não tem desespero e nem pesar,

Só mesmo sonhos e bem-querer.

Tudo azul no mundo de pelúcia,

Temer o bruxo pálido, nem pensar!

Pois é dele a mão que vem de noite só pra me apertar.

.

Aperta e sonha, sem medo do amanhã.

Aperta e esquece as coisas más, o afã.

Sonha com os anjos de luz,

Seu amigo urso o conduz.

Boa noite.

.

Faltam só 18 dias para o aniversário do Snape! 😀

23 dias – Ilustração

Posted in Fanarts, Niver do Snape with tags , , , , , , , on 18/12/2011 by ferporcel

Olá! Voltei! Trouxe presentes para o nosso Advento. 😀

Fiz este desenho para a fic “King of Swords” da Machshefa [link], mas fica como presente aqui também, no advento do niver do Sev. Na arte estão o Sev e a Hermione. 🙂

Bye-bye, Brasil

Posted in Fanfiction, Férias do Snape with tags , , , on 27/11/2011 by ferporcel

Fer tira os olhos do espetáculo lindo que a natureza oferece e suspira.

— Está bem, eu vou lá.

Ela deixa Shey e Claire na varanda e desce até a beira do rio. Seus passos passam despercebidos pelo homem agachado ali, imerso nos sons de pássaros em revoada.

— Boa tarde, Sev.

Ele lança um olhar breve em sua direção, mas sem dizer nada volta a contemplar as águas avermelhadas. Fer, respeitosa do momento de comunhão entre homem e natureza, apenas se acomoda ao lado de Severo e espera pacientemente.

— O lago de Hogwarts não tem uma moldura tão linda quanto esta, e mesmo assim é inevitável olhar para as águas calmas e não esperar que a qualquer momento um dos tentáculos da lula gigante vá aparecer.

Fer analisa cuidadosamente a declaração antes de comentar:

— Coração dividido é uma droga.

Eles retomam o silêncio contemplativo. Não é de hoje que Fer e as outras o convidam para mudar de pátria, deixar o passado da guerra e do sofrimento para trás e vir viver no Brasil.

— Com quem está a Chave de Portal?

A pergunta tira qualquer chance dele finalmente aceitar o convite. Se bem que a esperança deve ser sempre a última a morrer.

— Tem certeza que não quer passar mais uns dias por aqui? Não tenho dúvidas que a Marina, ou a Clau, ou a Cristie, ou… — Fer interrompe a lista ao ver a expressão de tristeza tomar o rosto de Severo. — A Chave de Portal está comigo — ela diz simplesmente, retirando um pingente de pedra negra em formato de urso do bolso traseiro da calça e mostrando-o a ele.

Ao ver o objeto, os olhos de Severo se amenizam. Fer sorri, entregando o presente disfarçado a ele. Severo se levanta e lhe oferece a mão para ajudá-la a fazer o mesmo.

— Obrigado — ele agradece, e Fer tem certeza que não é só pelo presente que acabou de lhe dar em nome de todas, mas também pela amizade e amor que essas férias lhe forçaram a reconhecer que todas têm por ele.

— Você sabe que pode nos visitar sempre que quiser, não é?

Um canto de sua boca se ergue enquanto caminham devagar de volta à varanda onde as outras esperam.

— Acho que aprendi a lição — ele admite antes de chegarem até Shey e Claire, que se joga nos braços dele.

— Sev! Pensei que não te veria mais depois da Shey sumir com você do mapa!

— Ninguém sumiu de mapa nenhum! Não tenho culpa se o sinal de celular perto do igarapé é praticamente nulo — Shey retruca.

— A Chave deve ativar em dois minutos — Fer interrompe para avisar.

— Vou pegar suas coisas — Shey diz, entrando na casa.

— Fica, Sev — Claire pede.

— Devo voltar para a Escócia. Imagina o pandemônio que os cabeças-ocas já não criaram na minha ausência?

— Nha! Deixa os cabeças-ocas para lá!

Ele oferece um raro sorriso a Claire, mas não larga o ursinho negro. Shey volta com uma mala e eles também trocam despedidas enriquecidas por sarcasmo – a forma preferida pelos dois para ignorar os sentimentos que realmente os assolam o coração.

— Tchau, Sev — Fer diz. — Vê se não se estressa tanto. Você fica melhor quando está relaxado.

Ele revira os olhos, mas um sorrisinho escapa antes dele dizer:

— Obrigado pela hospitalidade.

E então a Chave de Portal o leva para o outro lado do Atlântico, que pode ser fisicamente muito longe, mas que nunca será distância alguma para os seus corações.

Onde estão as Snapetes?

Posted in Snapeando with tags , , , , on 12/10/2011 by Claire

Eu sei que alguns de vocês (os vários 6 leitores deste blog) têm se perguntado onde estão as Snapetes e porque esse longo delay com falta de produção.

Ou também conhecida com a famosa MOITA.

Ok, contarei o segredo… Não sei se vocês já ouviram falar do Pottermore?

Então, as Snapetes costumam frequentar sempre um local em comum.

 

Entenderam?

Bom, agora saiam da Sala de Poções e vamos resgatar o Sev da Shey.