Archive for the Fanficando Category

Seminal não acabou

Posted in Fanficando, Fanfiction, Snapeando with tags , , , on 25/03/2012 by magalud

Não, não acabou! Ouçam minha risada maligna. Ainda refletiremos sobre o caráter de Severus Snape. Considerem uma prévia do livro de Rita Skeeter: “Severus Snape: Saint or Scoundrel?”

Por 6,8 livros e 7,6 filmes, Severus Snape era considerado um vilão. Byronianos fazem parte de uma espécie particular de anti-herói ou herói trágico. Lembre-se que o anti-herói não possui vocação heroica e realiza a justiça por motivos egoístas, pessoais, vingança, vaidade, por matar ou por quaisquer motivos que não sejam altruístas, ou seja, é o antônimo da ideia que se tem de herói. É diferente do herói trágico porque herói tem motivação altruística, e, quando falha, é apenas por erro de julgamento, nunca por vício e depravação. Isso é coisa de vilão. Herói é nobre. Superman é o herói mais típico.

Mas nem todos os nossos personagens são tão característicos como o Homem de Krypton. O Homem Mais Corajoso que Harry Potter Conheceu não é preto nem branco, mas o que não falta são tons de cinza, certo? Então vamos nos referir apenas a personagens trágicos. Continue lendo

Anúncios

Seminal 3: vamos ser práticos?

Posted in Fanficando, Snapeando with tags , , , on 18/03/2012 by magalud

Snape supervisiona alunos

Prometi semana passada uma checklist sobre as características de herói byroniano. Desta forma, você nunca mais vai se confundir quando estiver diante de um herói sofredor. Percebam que ele é um herói, ainda que às avessas.

Vamos ver juntas se Severus Snape mantém a tradição desse tipo de personagem. Oh, se alguém se interessou, pode pesquisar mais na infame e controversa Wikipedia. Não é fonte oficial de informação, pois não sei de quem copiaram, mas que é interessante, isso é. Continue lendo

21 dias – Mais que um Granger

Posted in Fanficando, Niver do Snape, Visitas ao Snape with tags , , , on 20/12/2011 by Claire

– Acho que você precisa mandar examinar essa cabeça.

– Por que você acha isso, Sev?

– Olha lá o título… Granger?! – Ele diz com desdém.

– Tá com ciúmes?

Não sei se vocês já conhecem a tão conhecida fanfic “Mais que um Granger”, escrita pela Fer Porcel.

Quem ainda não leu, deve ler! É uma leitura obrigatória para todas as que querem ser Snapetes e todos aqueles fãs de Snape, até mesmo os últimos arrebatados pelo filme. Para os fãs do shipper SnapeMione é um filé, para os não tão fãs, a oportunidade de gostar do casal.

A história conta sobre um menininho na verdade, o Nathan. Ele é filho da Hermione que não consegue esconder o seu segredo, ainda mais com o filho indo para Hogwarts e ficando bem próximo ao pai. E aí, descobriu? Tá me xingando porque eu contei boa parte da história?

Você é quem pensa.

A Fer é muito cuidadosa na construção das histórias e vocês devem ler pra saber realmente o que aconteceu.

Ou o que irá acontecer, já que a Fer ainda não terminou a fic inteira. Mas tá no finzinho…

Corre lá pra dar o seu review, apoio e palpite para Fer antes que ela termine. Tenho certeza que irão gostar.

Segue o link: http://www.fanfiction.net/s/2667093/1/Mais_Que_Um_Granger

– Já sei… Você fez isso só porque ela não te ameaçou de morte quando voltou.

– Nada disso. Tenho certeza que ela ficou orgulhosa do meu esforço.

– Puxa-saco.

– Sev!

Ele a encara em desafio.

– Ainda to com enxaqueca.

– Outra vez?

– Sim…

– Você anda se excedendo demais!

– Você precisa cuidar melhor de mim.

O fator Rickman 1

Posted in Fanficando, Snapeando with tags , , on 26/11/2010 by magalud

Vou repetir uma pequena trivia que nem todos podem conhecer a respeito do mundo potteriano. Embora universalmente reconhecido e laudeado como perfeito em sua caracterização de Severus Snape, o nome preferido de J. K. Rowling para o papel não era Alan Rickman. O primeiro ator a ser abordado para viver o azedo Mestre de Poções foi Tim Roth, que hoje é protagonista da série “Lie to Me”. Roth recusou o papel por já estar comprometido com “O Planeta dos Macacos”.

Hoje, em retrospecto, consigo entender as motivações de Rowling para não querer Rickman no papel de Snape. Ela argumentou que a idade estava errada. Afinal, canon!Snape tem 31 anos quando Harry chega a Hogwarts, e Rickman tinha 54 no primeiro filme. Bobagem. O motivo, a meu ver, é muito diferente.

Acompanhem o raciocínio. Rowling se vangloria de ser uma exímia “despistadora”. Enquanto escrevia os livros, ela se divertia em levar seus leitores a conclusões erradas para que seus preciosos segredos não fossem revelados. Se fosse bem caracterizado, Roth!Snape seria incapaz de provocar um suspiro romântico. Ele não faz o tipo byroniano (ver coluna anterior) e a revelação de que ele sofria de paixonite incurável pela mãe de Harry abalaria leitores na mesma proporção que a frase de Star Wars: “Não, Luke. Eu sou seu pai”.

Entra aí o fator Rickman: a voz, a sobrancelha, os gestos, o nariz, a postura, as mãos… Não foi à toa que as primeiras fics românticas com Snape vieram DEPOIS do primeiro filme de Chris Columbus.

Em entrevistas, quando fãs perguntavam se Snape tivera amores, Rowling especificamente perguntou: “É aquele ator, né?”. Depois pediu que as meninas se livrassem da fascinação por “bad boys”.

Longe de mim querer insinuar que Rowling não tenha aprovado a escolha de Rickman para dar vida a Severus Snape. Não só é um ator extraordinário, figurinha carimbada para vilões ingleses, mas ele criou um problema para Rowling. Rickman!Snape poderia ter tido uma chance com Lily. Roth!Snape seria mais trágico, porque dificilmente Lily Evans o olharia com outros olhos. Mas Rickman? O homem é papa-fina, e Snapefans em todo mundo acham Lily uma panaca, ou uma metida.

Resta apenas uma pergunta: se não Rickman, então quem? Quem poderia ser trágico, romântico e intenso, capaz de ser Snape? Lanço o desafio. Respondam nos comentários. Mas vou deixar agora minha humilde resposta: Adrien Brody tem um nariz capaz de representar o Snape…

O que você acha? Mais sobre Rickman!Snape na semana que vem.

Lorde Severus Byron?

Posted in Fanficando, Snapeando with tags , on 18/11/2010 by magalud

Devido à estreia (e à pré-estreia) de “Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 1”, achei prudente postar esta coluna excepcionalmente na quinta-feira. Amanhã será um dia corrido e posso atrasar.

Essa coluna não tem grandes pretensões, mas hoje o assunto é um pouco mais profundo. Muitas autoras gostam de tentar definir Severus Snape como um herói byroniano. Como estereótipo, o herói consagrado na literatura de Lorde George Byron pode ser definido, parcamente, como jovem aristocrático, dotado de um forte sentimento de culpa, sarcástico e melancólico.

O próprio Byron carregava essas características, e mais ainda: na vida dele, numa atitude desesperada, resultante de um vazio existencial causado por uma desilusão amorosa, entrega-se à melancolia e à culpa. Isso é muito snapeano. Dificilmente, porém, Sev se entregaria a uma outra característica do herói byroniano: a devassidão. Graças a Deus. Não basta todo o drama, também ia ser galinha? Nem a pau, Juvenal!

Vi numa review de literatura e faço minhas as palavras do autor: “Pode-se resumir toda a trajetória do personagem: amor, tédio e morte. O herói byroniano sente sem medida, entrega-se a um amor — via de regra, problemático — que o leva ao desencanto e este, ao tédio, condição de desesperança absoluta que o faz procurar a morte de distintas maneiras. Morrer é o fim de uma angústia sem remédio. É por essa razão que o romântico tem sempre a morte diante de si, na forma de assassinatos, suicídios ou atitudes e crimes que levam a uma morte mais lenta, mas o fim de tudo é sempre a morte, que permeia todas as narrativas byronianas escritas durante essa fase da carreira do autor.” Gente, é muito Sev!

Quem me conhece há mais tempo sabe que eu nunca alimentei esperanças de que Severus fosse sobreviver no fim da série. Contudo, ele não é exatamente suicida. Ele caminha na lâmina fina, sob o risco constante (com sua atividade de espião), mas não procura ativamente a morte. Ela já o rodeia. De certa forma, porém, como Byron, Severus cobiça a morte. Ele encara a morte como o fim, mas um fim capaz de alivá-lo do tormento que é viver, dia a dia, sem amor, com desprezo e autopiedade. Se for suicídio, ele é inconsciente.

Não sou crítica literária, nem conheço Byron em profundidade (poesia não é meu forte), mas na minha opinião humilde, embora Severus carregue fortes traços byronianos, ele não é um representante desse tipo de herói. Não no quilate de Heathcliffe, por exemplo, do “Morro dos Ventos Uivantes”. Nem discuto a qualidade dramática do personagem mais fascinante de Rowling. Todo o drama, toda a desesperança, fazem de Severus um eterno emoboy. Contudo, não podemos esquecer que Byron é representante de uma forte onda do romantismo. Por causa disso, sempre soubemos (mesmo antes do livro 7) que havia um grande romance na vida de Severus. E nós escrevemos mais desses romances para ele a cada dia, não é verdade? *__*

Podemos escrever mais sobre o assunto, se quiserem, mas por hoje é bom parar aqui. Se você se interessou por Lorde Byron, deixo um link sobre a biografia dele. http://www.spectrumgothic.com.br/literatura/autores/byron.htm

Sexy Severus

Posted in Fanficando, Snapeando with tags , , on 12/11/2010 by magalud

Snapete de cruz na testa jura que Severus Snape é um expert na cama, dotado (ui!) de habilidades relativas ao amor carnal capazes de fazer inveja ao próprio Casanova. Pena que não seja uma opinião universalmente aceita.

O canon é francamente desfavorável a Sevvie, como sói acontecer com nosso querido Mestre toda vez que JK Rowling está envolvida. Dessa vez, porém a falta de sensualidade faz sentido, ao menos teoricamente. Entre espionar para Dumbledore, espionar para o Lorde Trevas, proteger Harry, ensinar sete turmas de cabeças-ocas e ainda arrastar um bonde pela Lily, quando é que ele teria tempo para aprender, praticar e aperfeiçoar as artes da alcova? Repito: até que faz sentido. Mas que graça tem o homem ser sexy daquele jeito e não ser um Casanova?

Só há uma Snapefan no mundo todo que jura não ter fantasias sexuais com Sevvie, mas não devemos nos deter nisso, só porque essa pessoa encantadora (embora desiludida) resolveu se entregar ao universo da negação. O que importa é que o fandom de Severus Snape não tem dúvidas da força, energia, varonilidade, talento e excelência do Mestre nas artes maritais.

Impossível não vincular a sexiness à voz maviosa e aveludada do ator que interpreta o Mestre no cinema. Os olhares, gestos e maneirismos de Severus Snape também costumam vir do ator que o interpreta.

Mas essa coluna, porém é dedicada a Snape, não a Alan Rickman. A sexiness do Mestre já existia antes dos filmes. Só a alcunha de “O Deus do Sexo de Slytherin” deve dar uma ideia do que esse homem é capaz e de seus talentos inenarráveis.

Romântico sem ser meloso, safado, agressivo, impetuoso, cortejador, cruel tímido, canalha, respeitoso, experiente, cavalheiresco – as fics retratam Severus-amante sob os mais variados matizes. Mas todas são unânimes em acentuar o sex appeal e sua virilidade. Ele sempre deixa suas mulheres satisfeitas e querendo mais. Quem não sonha com um homem assim? E esse ainda tem poderes!

*desmaia e termina a coluna de hoje*

Aquela palavrinha amiga 1

Posted in Fanficando, Fanfiction with tags , on 22/10/2010 by magalud

Na ponta final do processo de produção de fics, estão as reviews, ou comentários. Muita gente costuma dizer que esse é o único “pagamento” dos autores de fic – em geral, meio que choramingando por reviews. Esse assunto tem diversas abordagens. Comecemos, pois, pela etiqueta.

A regra de ouro é comente sempre. Comente toda fic que você ler. Nem que sejam umas poucas palavras; deixe um bilhete só para dizer que leu e gostou da fic. Você pode me perguntar: “Mas e se não for caso? E se eu não gostei?”

Se não tiver gostado, há dois caminhos possíveis: não diga nada ou faça uma crítica educada, questionando o que você considerou pontos fracos e apontando soluções de maneira ponderada. Faça isso especialmente se você conhece a autora e tem liberdade para expor seus pontos de vista. É importante evitar mal-entendidos, por isso tome extremo cuidado com o que vai escrever.

Em muitos casos, o mais indicado é a abstenção. Pode parecer contraditório com a regra de ouro, que é dar feedback sempre, mas estamos falando de etiqueta. É preferível nada dizer a arriscar ser mal-interpretada. Não é um fandom tão grande assim (em certos sentidos), então pense no que vale mais a pena: curtir uma fic não tão boa de uma pessoa que pode melhorar, ou provar que você tem razão e magoar uma companheira adoradora de Snape?

Ainda assim, escreva um comentário, se puder. Deixe sua opinião num email ou no formulário do site. Perca uns minutinhos para dar uma alegria a uma pobre autora que abriu seu coração a toda a Internet.

Se você não souber direito o que escrever, consulte seu coração. Diga o que mais amocionou, o que mais admirou, onde chorou (sério, se você foi às lágrimas, PRECISA deixar a autora saber), quem tinha a melhor caracterização, quem surpreendeu, o que você esperava que acontecesse, enfim: solte os bichos. Nessa hora, leitor e autor viajam juntos na maionese. Muito legal.

E, não menos importante, se você decidir que a história merece, peça uma sequência, mas diga o que espera de uma eventual continuação. E, se a autora achar que não dá, nada de mimimi!

 

Eu sei que foi curtinho, mas vou continuar na semana que vem, tá? Desculpem o mau jeito…