Arquivo para novembro, 2011

Bye-bye, Brasil

Posted in Fanfiction, Férias do Snape with tags , , , on 27/11/2011 by ferporcel

Fer tira os olhos do espetáculo lindo que a natureza oferece e suspira.

— Está bem, eu vou lá.

Ela deixa Shey e Claire na varanda e desce até a beira do rio. Seus passos passam despercebidos pelo homem agachado ali, imerso nos sons de pássaros em revoada.

— Boa tarde, Sev.

Ele lança um olhar breve em sua direção, mas sem dizer nada volta a contemplar as águas avermelhadas. Fer, respeitosa do momento de comunhão entre homem e natureza, apenas se acomoda ao lado de Severo e espera pacientemente.

— O lago de Hogwarts não tem uma moldura tão linda quanto esta, e mesmo assim é inevitável olhar para as águas calmas e não esperar que a qualquer momento um dos tentáculos da lula gigante vá aparecer.

Fer analisa cuidadosamente a declaração antes de comentar:

— Coração dividido é uma droga.

Eles retomam o silêncio contemplativo. Não é de hoje que Fer e as outras o convidam para mudar de pátria, deixar o passado da guerra e do sofrimento para trás e vir viver no Brasil.

— Com quem está a Chave de Portal?

A pergunta tira qualquer chance dele finalmente aceitar o convite. Se bem que a esperança deve ser sempre a última a morrer.

— Tem certeza que não quer passar mais uns dias por aqui? Não tenho dúvidas que a Marina, ou a Clau, ou a Cristie, ou… — Fer interrompe a lista ao ver a expressão de tristeza tomar o rosto de Severo. — A Chave de Portal está comigo — ela diz simplesmente, retirando um pingente de pedra negra em formato de urso do bolso traseiro da calça e mostrando-o a ele.

Ao ver o objeto, os olhos de Severo se amenizam. Fer sorri, entregando o presente disfarçado a ele. Severo se levanta e lhe oferece a mão para ajudá-la a fazer o mesmo.

— Obrigado — ele agradece, e Fer tem certeza que não é só pelo presente que acabou de lhe dar em nome de todas, mas também pela amizade e amor que essas férias lhe forçaram a reconhecer que todas têm por ele.

— Você sabe que pode nos visitar sempre que quiser, não é?

Um canto de sua boca se ergue enquanto caminham devagar de volta à varanda onde as outras esperam.

— Acho que aprendi a lição — ele admite antes de chegarem até Shey e Claire, que se joga nos braços dele.

— Sev! Pensei que não te veria mais depois da Shey sumir com você do mapa!

— Ninguém sumiu de mapa nenhum! Não tenho culpa se o sinal de celular perto do igarapé é praticamente nulo — Shey retruca.

— A Chave deve ativar em dois minutos — Fer interrompe para avisar.

— Vou pegar suas coisas — Shey diz, entrando na casa.

— Fica, Sev — Claire pede.

— Devo voltar para a Escócia. Imagina o pandemônio que os cabeças-ocas já não criaram na minha ausência?

— Nha! Deixa os cabeças-ocas para lá!

Ele oferece um raro sorriso a Claire, mas não larga o ursinho negro. Shey volta com uma mala e eles também trocam despedidas enriquecidas por sarcasmo – a forma preferida pelos dois para ignorar os sentimentos que realmente os assolam o coração.

— Tchau, Sev — Fer diz. — Vê se não se estressa tanto. Você fica melhor quando está relaxado.

Ele revira os olhos, mas um sorrisinho escapa antes dele dizer:

— Obrigado pela hospitalidade.

E então a Chave de Portal o leva para o outro lado do Atlântico, que pode ser fisicamente muito longe, mas que nunca será distância alguma para os seus corações.

Parte 3 – fim das férias…

Posted in Fanarts, Fanfiction, Férias do Snape with tags , , , , on 26/11/2011 by Shey

Semanas se passaram, e como nenhuma Snapete foi buscá-lo, Snape permaneceu em Belém apreciando o calor dos trópicos e a hospitalidade nortista. Desta maneira, o casal caminhava pela areia da praia sem se preocupar com o tempo enquanto apreciava mais um dia belo e ensolarado.

— Eu não falei que seria divertido?

— De fato, foi uma experiência… interessante.

— Falou o homem que quase comprou todas as ervas amazônicas que encontrou no ver-o-peso! — Ela riu leve.

— Tenho que admitir que encontrei alguns itens interessantes.

— Alguns? Você gastou uma pequena fortuna naquela barraca, Sev. E admita, você se divertiu!

— De fato.

— Eu só vi seus olhos brilharem daquele jeito quando encontramos aquele igarapé no seu segundo dia aqui. — Shey riu com gosto ignorando a carranca que ele fez.

— Aquilo não foi engraçado.

— Claro que foi, sua cara de alívio por ver água corrente depois de caminhar por tanta areia foi… foi… fantástica! Você não sabia se corria pra água ou esperava pra saber se era algum tipo de miragem.

— Não exagere, eu não sabia que andaríamos tanto depois da praia.

— Nem eu, senhor “eu não vou ficar de sunga em público”!

Nova carranca que a fez sorrir, mas ele não a deixou sem uma resposta.

— A senhorita também não reclamou depois de encontrarmos um lugar mais… reservado.

— Quem, eu? Mas quando?! — Ela sorriu inocente. — Por que eu vou reclamar de uma coisa dessas?

— Foi o que pensei.

— Exato, e conhecendo o senhor, sei que está louco por outra dose de sorvete. Quem diria, Severo Snape é um apaixonado por sorvete de…

— De qualquer coisa que esteja gelada!

— Qual é, Sev? Pensei que já estava acostumando com o calor! Olha só o tempo que você está aqui, nem está tão quente hoje, você tem que concordar.

— Humf! — ele resmungou.

— Concordo que foi um choque térmico, mas você acostumou, né?

— Ok, eu acostumei.

— Eu sabia! — Ela riu. — E você fica bem melhor sem aquele monte de roupa.

Neste momento uma grande coruja pairou sobre eles e deixou cair um envelope.

— Ih, parece que se lembraram de nós!

— Estava me perguntando quanto tempo essa paz duraria.

— Não seja mau, elas não vão aprontar com você. “Não muito!” — ela acrescentou enquanto pegava o envelope e soltava a coruja.

Shey riu e abriu o envelope.

— Veja o lado bom, não é um berrador.

— Leia logo e diga qual a minha sentença!

— Que dramático! — Ela fez uma pausa enquanto lia e acrescentou, rindo: — Bem, basicamente fui acusada de sequestrar um certo Mestre de Poções e tenho que devolvê-lo até sexta-feira ou você será sequestrado de volta.

— Posso ver o quanto fiz falta.

— Nós te amamos, ainda não percebeu?

Ele ficou muito quieto, olhando pra ela sem responder.

— Anda, temos mais um dia inteirinho para aproveitar, e como sou boazinha, você pode gastar fazendo o que quiser!

— O que eu quiser?

— Sim, o que quiser. Diga e faremos!

O olhar dele disse tudo, e ela apenas respondeu:

— Ok, vamos pegar sua sunga!

Sexta-feira chegou e se foi sem ninguém aparecer e nenhuma chave de portal ser ativada, até que no final da tarde a campainha tocou.

— Olha só, veja quem apareceu. Oi, Fer! Oi, Claire!

— Onde foi que você se meteu, Shey? Era pra ficar com o Sev um dia, UM dia, e não um mês!

— Calma, Claire, ele não tinha onde ficar, ninguém me deu programação nenhuma de onde era o próximo lugar, então…

— Então você resolveu ficar com ele. Muito espertinha, Dona Shey, agora devolve o Sev!

— Calma, Fer, seu ‘amigo’ foi muito bem tratado. Ele está ali fora, foi pegar um ar na praia.

As três chegaram à pequena varanda e apreciaram o melhor pôr-do-sol do mundo.

— Viu, ele está vivo e bem cuidado. Agora, enquanto as senhoritas babam, eu tenho que tirar uma foto disso!

E essa foi a foto no fim do dia. Ele não parece fofo ao pôr-do-sol?